Warning: Creating default object from empty value in /home/dominica/public_html/plugins/system/advancedmodules/modulehelper.php on line 319

República Dominicana: Um destino inesgotável e único no mundo

Informação geral

Informação geral

MapaCaribe

No coração do Caribe, banhado pelas águas do Atlântico no litoral norte e pelo impetuoso Mar do Caribe, no sul, existe um país plácido e belo, cujo nome oficial é República Dominicana.
Este fica entre os paralelos 17° 40' e 19° 56' de latitude norte e 68° 20' e 72° 01' de longitude oeste do meridiano de Greenwich (GMT-4).

Foi descoberta por Cristóvão Colombo, durante sua primeira viagem ao Novo Mundo, em 5 de dezembro de 1492 e ocupa 48.442 quilômetros quadrados, dos quais, 76.192 que compartilha com a república vizinha, o Haiti. Sua beleza natural e sua rica história encantam àqueles que a conhecem.

Por privilégio real do Rei Fernando, foi denominada, em 1508, Ilha de Santo Domingo. Seu nome aborígine Quisqueya significa em taíno "mãe de todas as terras". Na época do descobrimento, nossa ilha era habitada por aborígines, que se chamavam a si própríos de taínos, cujo significado é "os bons".

cer_tainaOs taínos pertenciam à cultura arauka da região tropical do continente sul-americano, de onde partiram, em canoas, pelo arco das Antilhas Menores. Eram bem formados fisicamente, de pele bronzeada e olhos negros. Em geral eram pacíficos e quando se desenvolvia entre eles um regime que tendia à escravidão interna sob o predomínio de um cacique, a história mostra fatos, nos quais defenderam com bravura à família, o patrimônio e a liberdade, quando os colonizadores tentaram escraviza-los. No entanto, uma população de aproximadamente 600 mil habitantes, foi exterminada em menos de treze anos.

Estavam organizados em cinco tribos: Marién, governado por Guacanagaríx; Maguá, dominado pelo cacique Guaríonex; em Maguana o senhor era Caonabo; em Higüey, Cayacoa; e Jaragua era do domínio de Bohechío. Quando da morte de Bohechío, governou sua irmã, a Cacica Anacaona, viúva de Caonabo, tida como a mulher mais habilidosa, bela e talentosa da ilha. Anacaona teve que presenciar impotente ao genocídio de sua tribo, no primeiro ato de crueldade registrado em nossa história como a Matança de Jaragua, cometido em 1503, pelo governador Nicolás de Ovando. A rainha, estando prisioneira, respondeu com estes versos:

"Não é honra matar, nem lava a honra a tragédia consumada. Abramos uma ponte de amor, para que por ela passem e deixem as marcas de seus sapatos os nossos inimigos."

 

logoDWfooter